quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Direita lança campanha violenta e apresenta Maduro como ditador

 Os oponentes do governo venezuelano, Nicolás Maduro, queimam barricadas numa rua em Valência, Venezuela, 6 de agosto de 2017.
O Fundalatin solicitou à ONU que o órgão internacional condene a violência gerada pela direita venezuelana no país sul-americano.
A ONG venezuelana Fundação Latino-Americana para Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (Fundalatin) informou em sua conta no Twitter, onde divulgou os detalhes da 36ª sessão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC),  realizada na quarta-feira (20/09).
"Alertamos, na ONU, que setores da oposição venezuelana continuam a proteger-se no direito à manifestação pacífica para cometer crimes", denunciado  no tweets da referida organização não governamental.
Fundalatin também denunciou a "campanha midiática" dos opositores venezuelanos para apresentar-se perante o mundo como "prisioneiros políticos", dessa forma convencer ao mundo  que o presidente venezuelano Nicolás Maduro é um ditador.
Durante a referida sessão do UNHRC, o presidente da ONG, María Eugenia Russián, fez um discurso em que lembrou que mais de 100 pessoas perderam a vida e mais de dois mil feridos foram registrados entre abril e julho devido a violência política convocada e financiado por agentes  contra o governo de Maduro.


Entre os atos de violência através dos quais os opositores venezuelanos "buscam uma ruptura da ordem constitucional",  referiu-se a queima de pessoas , escolas e hospitais, o uso de armas de fogo e explosivos contra civis e o uso de meninos e meninas para preparar explosivos.
Russián, de igual maneira, rechaçou uma declaração do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos  , Zeid Raad al-Hussein, que em um discurso no Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra (Suíça), em meados de setembro,acusou  o governo de Maduro de exercer repressão nos protestos da oposição que, a seu ver, poderiam constituir "crimes contra a humanidade".
Deve-se mencionar que o relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas gerou uma enxurrada  de rejeições e críticas entre as autoridades venezuelanas , incluindo a presidenta da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), Delcy Rodriguez, que criticou que Zeid, com um "falso positivo" construido  contra a Venezuela busca "justificar a intervenção imperial".
tqi / ktg / tmv / tas
http://www.hispantv.com/noticias/venezuela/354130/onu-campana-violencia-oposicion-derecha-maduro-dictador

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

CURDOS E A COALISÃO LIDERADA PELOS EUA SOCORREM O ISIS EM DEIR EZZOR

 
BEIJAN, LEBANCO (9:45) - Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, a Coalizão e as forças lideradas pelo Curdo  estão  ajudando os terroristas do ISIS no leste de Deir Ezzor através de uma variedade de meios no que parece ser uma tentativa de impedir o exército sírio e paramilitares aliados da libertação da região.
O major-geral Igor Konashenkov, porta-voz do ministério, observou que os contra-ataques ISIS mais fortes e o bombardeio de artilharia contra a cabeça de ponte do exército sírio na margem oriental do rio Eufrates vêm do norte, onde as forças americanas e curdas mantêm posições e não do sul, onde o O Estado islâmico ainda não é desafiado por qualquer força.
O general russo também apontou outros atos de sabotagem cometidos pela coalizão chamada anti-ISIS liderada pelos EUA contra as forças do exército sírio.
De acordo com Konashenkov, na operação das unidades de exército sírio de elite que atravessam a margem oriental do Eufrates, o nível da água aumentou drasticamente em várias horas, fato que só poderia acontecer com a liberação das comportas da barragem  do norte  - barragens que estão sob o controle das forças curdas.
Finalmente, Konashenkov, também, mencionou os relatórios dos comandantes do exército sírio de que as forças especiais dos EUA e os combatentes curdos estavam prestando assistência médica aos mercenários do ISIS e que os comandantes concluíram que este parece ser o único objetivo da ofensiva oriental de Deir Ezzor. https://www.almasdarnews.com/article/kurdish-coalition-forces-assisting-isis-deir-ezzor-russian-mod/

Buenos Aires propesta contra a visita de Netanyahu

Os argentinos organizaram protestos antissionistas sobre a visita do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu ao país latino-americano. Manifestantes da solidariedade com os palestinos e manifestantes de esquerda concentraram-se na capital na segunda-feira, (11/09/17)antecipando a chegada de Netanyahu ao país, para condenar a ocupação israelense da Palestina e os crimes contra a população palestina.
 Entre as bandeiras que  carregavam se podia encontrar  imagens de Netanyahu retratadas na maneira de Hitler e com o lema "Fora sionistas da Palestina. Fora de Netanyahu " 
Em outros, se mostrava Netanyahu  como um criminoso caçado por "crimes contra a humanidade" e pelo "genocídio da população palestina "
Outro protesto está programado para terça-feira na capital, quando Netanyahu planeja se encontrar com o presidente argentino, Mauricio Macri.
Adolfo Pérez Esquivel, proeminente ativista argentino que recebeu o Prêmio Nobel da Paz, emitiu severas críticas a visita de Netanyahu à Argentina, observando que o primeiro ministro israelense enfrenta acusações "por ter cometido crimes contra a humanidade, por matar civis e bombardearam escolas palestinas, mesquitas e hospitais "
É a primeira vez que um primeiro ministro israelense visitou um país latino-americano durante seu mandato.
https://www.almasdarnews.com/article/buenos-aires-protesta-contra-la-visita-de-netanyahu/

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Terror em Myanmar quando os EUA se enfrentam contra a reconstrução do "Cinturão e os Caminhos da Seda", dos negócios da China

A iniciativa  de Cinturões e Caminhos da China pressagia  uma monumental transformação da ordem econômica global, que representa uma ameaça existencial a "Pax Americana",  existente desde o fim da Guerra Fria. Compreender este contexto é fundamental para entender o sentido da atual histeria que brota do complexo ONG-industrial e sendo alimentada por especialistas  ocidentais liberais.
Como havia argumentado anteriormente, as decisões tomadas pela administração  Trump desde janeiro indicam uma mudança na política externa dos EUA. Não há mais preocupação com a realização de pequenas guerras em nome do lobby de Israel e da classe bilionária, a atenção está centrada,  de forma enérgica, na Ásia e, em particular, na China. O ex chefe de estrategia da Casa Branca, Steve Bannon, foi bastante categórico sobre isso em sua entrevista em 16 de agosto para  a  revista American Prospect  :
 
"Para mim, a guerra econômica com a China é tudo. Precisamos estar fanaticamente concentrados nisso. Se continuarmos a perdê-la, estaremos cinco anos de distância, penso, 10 anos no máximo, de atingir um ponto de inflexão a partir do qual nunca mais seremos capazes de recuperar ".
Sem uma pitada de ironia, Bannon acrescentou mais tarde:
"A China, de hoje, lembra  a Alemanha em 1930. Está no cume. Poderia ir de um jeito ou de outro. "" Cem anos a partir de agora, é o que eles vão lembrar - o que fizemos para enfrentar a China em sua ascensão à dominação mundial "." Teremos que nos reafirmar como a verdadeira potência asiático : economicamente, militarmente, cultural e politicamente ".
O BRI da China é um projeto de infra-estrutura de US $ 8 trilhões que visa reconstruir a antiga Estrada da Seda, integrando o continente euro-asiático em uma vasta rede de rotas rodoviárias, ferroviárias e marítimas envolvendo mais de 60 países e absorvendo grande parte da sobre-capacidade atual da China, que o presidente Xi Jinping descreve como um caminho aberto e inovador para a cooperação mútua. E, também, sinaliza o fim da hegemonia global permanente dos EUA.
Entre as importantes decisões de política externa tomadas até agora pela administração Trump incluem o retiro estratégico da Síria, (pós derrota) o aumento das hostilidades em relação ao Irã, o lançamento da mãe-de-todas-as-bombas de 11 toneladas  no leste do Afeganistão e uma duplicação da implantação de tropas na guerra mais longa dos Estados Unidos (Afeganistão). Todos estes são sinais de uma abordagem única focada em interromper a crescente influência regional da China por todos e quaisquer meios possíveis. 
  Um dos seis corredores econômicos que compõem o BRI, o corredor de 2800 km do Bangladesh-China-Índia-Myanmar (BCIM) irá conectar Kolkata na Índia com Kunming na província chinesa de Yunnan, via Dhaka (Bangladesh) e Mandalay (Myanmar). O ponto central deste corredor é a Zona Econômica Especial de Kyaukphyu (KSEZ), que inclui um porto ferroviário expresso e um porto de  águas profundas, com potencial de transformar Myanmar em um centro regional de logística e comércio que atraia seus  vizinhos da Tailândia e Laos.
Nova Estrada de Seda da China (tradução)
 A China ainda não anunciou taxas oficiais para a iniciativa de cinturão e estrada, mas seis corredores econômicos foram confirmados
Resultado da imagem para belt road corredor myanmar
Fonte: International Road Transport Union / Los Angeles Times
Todavia, ao invés de uma ótima oportunidade para o desenvolvimento regional, os generais do Pentágono vêem o BCIM como uma linha de abastecimento do inimigo. Com os EUA flexionando seu músculo militar no Mar da China Meridional e observando o Estreito de Malaca - um potencial ponto de estrangulamento para o fornecimento de petróleo para China - o gasoduto Sino-Myanmar de US $ 10 bilhões que vem da Baía de Bengala para a província chinesa de Yunnan, agora ponto crítico para a segurança energética da China. Colocar o estado de Rakhine sob a proteção dos EUA / OTAN seria uma maneira óbvia de sabotar esse projeto.
Como a Uighur da província chinesa de Xingxang, a minoria muçulmana Rakhine de Myanmar, conhecida mais amplamente como "Rohingya", inclui grupos insurgentes apoiados por interesses políticos ocidentais, como Harakah al-Yaqin, o Exército de Salvação Arakan Rohingya. Interpretando o papel de agentes provocadores na última rodada de psicopatas, os relatos dos locais acusam esses radicais de queimar suas próprias aldeias e matar seus próprios habitantes para incitar a violência. Além disso, seus crimes violentos contra a população budista local provocaram protestos brutais contra muçulmanos étnicos em todo o país - violência que a "comunidade internacional" culpa às autoridades birmanesas.
 
Aung San Suu Kyi foi o querida da "imprensa livre" liberal por duas décadas. A blogueira da independência birmanesa, sua oposição à Junta Militar de Mianmar lhe rendeu  o Prêmio Nobel da Paz e 15 anos sob prisão domiciliar antes que sua Liga Nacional pela Democracia finalmente ganhasse com uma vitória esmagadora, em 2015. Suu Kyi agora se encontra na ilustre companhia de Saddam Hussein , Manuel Noriega e Ngo Dinh Diem - um ativo desonroso  cujo arrendamento expirou e quem está prestes a ser jogado sob o ônibus proverbial.
Até agora, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia não está comprando a linha imperial em Mianmar, e a China se recusou a apoiar o envolvimento da ONU na crise.
A Turquia tem sido muito vocal em seus apelos à intervenção humanitária, o que não é uma surpresa, dado o seu histórico. Foi  a Turquia  que levou o chamado às armas em nome dos muçulmanos líbios, supostas vítimas de violações  e genocídio sob a  "brutal ditadurade Muammar Gaddafi. De forma embaraçosa, a Anistia Internacional, mais tarde, seria forçada a admitir que essas afirmações não se baseavam em nenhuma evidência real - infelizmente, muito tarde para Ghadaffi, cuja captura e execução extrajudicial estabelecem um novo padrão baixo para o voyeurismo da rede de TV. A Turquia também foi um jogador importante no esforço de seis anos para derrubar a democracia secular da Síria e substituí-la por uma teocracia wahhabista favorável aos interesses ocidentais do petróleo. Ao contrário da Líbia, que foi completamente destruída e entregue aos terroristas em seis meses, a Síria até agora sobreviveu, graças à dedicação e determinação de seu exército e seus aliados, Rússia, Irã e Hezbollah.
Antes de permitir que nossas emoções sejam manipuladas para apoiar mais violência humanitária, não devemos ter ilusões sobre o que vem pela frente. A "Responsabilidade de Proteger " é, quase sempre, um precursor do genocídio.  
Um dos principais defensores da guerra da Líbia foi a intelectualidade pública francesa e  personalidade da mídia Bernard-Henri Lévy . Quando perguntado por Stephen Sackur da BBC Hard Talk
"Você concordaria que a intervenção militar na Líbia não foi como você esperava?",
Lévy respondeu
"Não (risos) Não, não duvidava que fosse assim".
Este artigo foi originalmente publicado por The Last Yawn .
A imagem em destaque é da Ásia Times.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Sindicato Debate sobre a Palestina e a guerra de rapina levada pelo impérialismo sionista no Mundo Árabe, na Asia Central e no Magreb


Uma noite memorável, o evento organizado pelo Sindicato dos advogados de São Paulo, pelo Comitê Brasileiro em Defesa dos Prisioneiros Políticos Palestinos e a Célula Jurídica Pachukanis sobre a questão Palestina, a origem da ocupação e  os prisioneiros políticos , onde foi discutido a guerra de rapina que o imperialismo sionista pratica contra os países e povos do Mundo Árabe, da Ásia central e do Magreb. Os palestrantes foram:
NADER ALVES BUJAH - RIO GRANDE DO SUL - Bacharel em direito pela Universidade Unisinos e Diploma do Pós Graduação em PolÍtica Internacional pela Universidade Católica do Rio Grande Do Sul. Presidente do Centro cultural palestino do Rio Grande do SUL e coordenador das RI do Comité da Palestina Democrática no BRASIL.
MARISTELA ROSÂNGELA DOS SANTOS PINHEIRO - RIO DE JANEIRO – Ciência Política pela UFRJ, Mestre em História pela UFF, Coordenadora do Comitê de Solidariedade à Luta do povo Palestino do RJ e colaboradora do Blog “Somos Todos Palestinos”.


Abaixo vamos recordar os principais trechos da exposição dos convidados:

O palestino brasileiro Nader Alves Bujah nos envolveu com a dramática e sangrenta história da ocupação sionista dos territórios palestinos ( Nakba) e a responsabilidade da Inglaterra, a época um país imperialista/colonizador , sobre os danos causados pela Declaração Balfour /nov.1917 (Ministro britânico dos Negócios Estrangeiros)ao povo palestino, até os dias atuais.
"O Governo de Sua Majestade considera favoravelmente o estabelecimento, na Palestina, de um lar nacional para o Povo Judeu e dedicará todos os seus esforços à realização deste objetivo".(trecho da declaração)

Nader discorreu sobre as formas fascistas com que as milícias judias tomaram terras nas aldeias palestinas, sobre a política de crimes após a partilha da Palestina votada na ONU em 1947, ignorando completamente a existência milenar do povo palestino que lá vivia, os donos da terra.

E assim, o sionismo foi se apropriando das terras palestinas e implementando uma feroz e mortífera limpeza étnica nos territórios da Palestina histórica. Destruindo a cultura e se apropriando do território. Destruindo aldeias inteiras e construindo moradias, sob os escombros e sangue do povo palestino, para os judeus europeus ou norte americano, os novos colonos.

Uma das formas fascistas da política criminosa de Israel contra os palestinos são as prisões constantes e indiscriminadas de todo tipo. Essa política funciona tanto para punir as crianças,  a juventude, os homens e as mulheres, como para humilhar suas famílias que são obrigadas a pagar enquanto seu parente estiver preso. Não há necessidade de uma acusação formal para isso, Israel usa o expediente da prisão administrativa.

Até agosto de 2017 essa é a estatística :  6.279 prisioneiros políticos palestinos nos cárceres israelenses, sendo 465 prisões administrativas, ou seja, pessoas que não são acusadas formalmente, mas continuam presas; 300 são crianças; 65 são mulheres; 466 com pena acima de 20 anos; 520 pessoas estão condenadas a prisão perpetua. Seus crimes: lutam para recuperar sua terra, lutam contra a ocupação.

O acesso dos prisioneiros políticos a medicina é negado ou negligenciado, as famílias tem dificuldades de visitar seus entes queridos; não podem estudar e ainda precisam comprar comida nas cantinas das prisões do estado judeu.

A camarada Maristela localizou a situação da luta do povo Palestino contra a ocupação no contexto do que esta acontecendo no seu entorno. Afirmando que a situação dos territórios está diretamente ligada a guerra em que o imperialismo sionista e seus aliados estão empenhados no Mundo Árabe, no Magreb africano e na Ásia central, em particular, no Afeganistão.

Segundo a historiadora, uma das principais tarefas da solidariedade internacionalista com o povo árabe, africano e asiático é esclarecer exaustivamente os fatos, a história trágica desses povos escondida atrás do discurso supostamente "inatacável" das campanhas promovidas pela defesa da democracia e dos direitos humanos, fartamente reproduzida pela mídia corporativa mundial.

Sob a pauta da democracia e dos direitos humanos, as estratégias são montadas de acordo com os interesses e a realidade encontrada no local. No Egito e na Tunísia foram colocadas em prática as famosas técnicas da "não violência", conjunto de teorias de Gene Sharp, pela primeira vez posta em prática na Sérvia, sob o comando da OTPOR, nas "revoluções coloridas" do leste europeu. Nesta forma, a juventude local é chamada a se movimentar sob a liderança de jovens bem treinados. A juventude árabe recebeu treinamento diretamente de CANVAS (Center for Applied Non Violent Action and Strategies), um centro de formação de dissidentes. O objetivo é desestabilizar, desestruturar países identificados em um quadro geopolítico dos interesses imperiais/sionista, quando necessitam de uma nova configuração política, sem mudanças substanciais no regime. Nesses casos, a palavra de ordem pela "democracia" e "direitos humanos" é uma armadilha para atrair a juventude e o povo em geral. Haja vista que nenhuma Monarquia Árabe foi atingida e a única sublevação antimonárquica foi totalmente massacrada pelo CCG ( Conselho de Cooperação do Golfo) ,o pobre Bahrein, com a bênção dos EUA e Israel.

Hoje, é ampla a denuncia das ingerências estrangeiras nessas "revoltas", nas ruas dos países árabes, que, oportunamente, valem-se da crise social local, desemprego elevado, falta de democracia, corte de direitos fundamentais, falta de liberdade de expressão, corrupção e nepotismo, ou seja, encontram um  terreno fértil para movimentar as massas com objetivos e agenda definidos. E assim, atuaram e, ainda, atuam pelo mundo afora, para citar alguns exemplos:  naVenezuela e , em grau menor ,no ano de 2013, no Brasil.
Os jovens e ciberativistas, sob o patrocínio das ONGs ligadas a USAID, a NED, a Freedom House ou a Open Society, do multimilionário George Soros, que levaram as massas árabes de Túnis e do Cairo às ruas, não buscavam uma revolução e mudanças reais, mas mudanças na velha configuração política que favorecessem  os interesses geopolíticos dos EUA e Israel, da época. Tanto é assim,  que após a queda dos governos, estes jovens não interferiram mais na marcha dos acontecimentos, não chamaram mais manifestações. O  vazio deixado é logo ocupado por forças políticas em acordos com o imperialismo, sem nenhuma resistência.  Ou seja: Nada mudou para as massas árabes!

No caso quando há resistência das superestruturas dos Estados, a  armadilha da opção da técnica "não violência"   dá lugar rapidamente a estratégia militar, caso do Iraque, da Líbia e da Síria. Nesse ponto, Maristela afirmou e nos mostrou que  o imperialismo tem atacado agressivamente e criminosamente os povos árabes, destruindo as condições mínimas de sua sobrevivência, levando milhares a morte, espalhando doenças, a fome e a miséria; destruindo a infraestrutura hospitalar, da educação, de alimentação e de reservatórios de agua e energia;   além das gravíssimas contaminações produzidas pelas bombas lançadas sobre as aldeias e bairros de fósforo branco e de urânio empobrecido, que perdurarão por gerações.

Essas ingerências estrangeiras, seja pela técnica  da OPTOR ou pela guerra militar aberta contra o povo árabe, foram chamadas, pela mídia mundial, de "primavera árabe", contudo,  afirmamos que não foram primavera e nem foram árabes, geraram mais de um milhão e meio de vítimas (por baixo), 14 milhões de refugiados e  a destruição da infraestrutura necessária a sobrevivência dos povos e dos  locais históricos, a fome, o desterro, as doenças....

Toda essa movimentação agressiva do imperialismo estadunidense e sionista ao redor do mundo, em especial nas áreas de interesses econômicos, atrás da apropriação das riquezas minerais e do domínio sócio político,  tem uma razão: estamos diante de uma crise sistêmica do capitalismo monopolista . Este é o foco, o olho do furacão que atinge  indiscriminadamente, de uma forma ou de outra,  todos os povos do mundo.

As guerras contra os povos nada mais são que a expressão máxima da solução encontrada, pelo próprio capital, para a crise sistêmica do capital, tanto pela apropriação das riquezas e ataques aos direitos sociais dos trabalhadores como , não menos importante,  pelo investimento pesado na indústria da guerra,  formação de exércitos privados (mercenários), na venda de armas, operações de falsa bandeira e intervenções militares.

A presença da entidade sionista, Israel, no Mundo Árabe cumpre um papel fundamental para essa estratégia imperialista. Israel é uma grande base militar pronta e bem equipada para auxiliar as intervenções e alimentar os grupos mercenários nos países árabes sob ocupação militar. Os Estados em torno da Palestina ocupada (Israel) são considerados, para todos os efeitos e medidas, como fronteiras, por isso a estratégia elaborada conjuntamente pelos sionistas e os EUA de fragmentar esses Estados. Sem o mínimo escrúpulos, utilizam o ardil das operações terroristas de falsa bandeira, da promoção do conflito étnico e religioso. Claro, o fazem com a imprescindível ajuda das ONGs, dos Institutos, dos grupos fundamentalistas (financiados) e obviamente com a mídia corporativa e a fiel oligarquia do Golfo, cães de guarda do sionismo.
Ressaltou  e concluiu que apesar do jogo militar pesado, que inclui o ISIS e outros grupos mercenários fundamentalistas como arma para destruir a resistência anti-imperialista  da aliança formada pelo Irã, Iraque, Síria e Hezbollah, os EUA e Israel não estão conseguindo seu intento, estão atolados num fracasso total tanto no Afeganistão, como no Iraque e na Síria.
Essa vitória militar da resistência ao sionismo no Mundo árabe é muito importante para fortalece a luta do povo palestino, e nesse ponto será necessário que as resistências Palestinas estejam prontas para o confronto com a ocupação.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

ISRAEL SE LANÇA A DESTRUIR AS ESCOLAS DAS CRIANÇAS PALESTINAS!

  •  Hoje existem mais de 55 escolas na Cisjordânia com ordens de demolição  ou paralisação emitidas pela entidade sionista Israhell.

  • Quatro ongs internacionais(Ação Contra a Fome, Save the Children, Conselho Norueguês para os Refugiados e do Gruppo di Volontariato Civile) denunciam os recentes ataques de Israhell contra as escolas palestinas, ao iniciar o ano letivo.

  • As crianças recebem inúmeras ameaças ao tentarem chegar à escola e exercer o seu direito básico à educação, incluindo violência e assédio por soldados israelenses, atividade militar nas escolas ou ao redor da escola, prisões militares e detenção de estudantes em suas salas de aula, atrasos devido ao fechamento de uma área para fins militar ou área de tiro, atrasos nos cheks points , ameaças de destruição e demolição de escolas e paralisação de obras.
  • O Grupo de Trabalho documentou 256 flagrantes violações relacionadas com a educação em 2016, que afetou 29.230 estudantes palestinos. Entre janeiro e março deste ano, houve 24 casos de ataques diretos contra escolas, incluindo incidentes em que o exército sionista lançou bombas de gás lacrimogênio e e bombas sonoras contra estudantes no caminho para a escola.
  • As ONGs denunciam que mais de 20.000 alunos perderam tempo de aprendizagem crucial nos primeiros três meses deste ano devido as obstruções como os atrasos nos famigerados 'check points' ou nas áreas declaradas fechadas para uso militar, bem como a prisão e detenção de crianças em escolas e áreas circundantes.
  • No campo de refugiados Shufaat , leste de Jerusalém, até 15.000 crianças são obrigadas a atravessar um posto de controle (check points) todos os dias só para chegar à escola.
 

 Fuente: Servimedia - España

A nova escola primária em Jubbet ADH-Dibh foi demolida, justo quando o novo ano escolar estava prestes a começar.

Os alunos entram na sala de aula improvisada na escola primária Jubbet ADH-Dibh [Nigel Wilson / Al Jazeera]

No início da manhã, dezenas de estudantes se reuniram em filas fora da escola primária Jubbetadh-Dibh. Incentivados por seus professores, orgulhosamente cantaram o hino nacional palestino, Fidai.
Tudo lembrava  uma típica cena da Palestina, um ritual matutino nas escolas, em toda a Cisjordânia ocupada, antes dos estudantes iniciarem  suas aulas.
Mas quando os estudantes  da Escola Jubbet ADH-Dibh terminaram  de cantar o hino, não tinham salas de aula para onde ir. Havia apenas uma tenda cheia de cadeiras de madeira e dois quadros-negros.
As seis salas de aula da nova escola, construída em meados de agosto para acomodar 80 alunos, tinha sido desmontadas e removidas pelo exército israelense na noite anterior ao primeiro dia do ano escolar. Dois dias depois, só havia  a fundação de concreto, onde havia as salas de aula e os banheiros.
"Começamos o novo semestre letivo com uma escola desmantelada", disse à Al Jazeera Ibtissam Shaibat, professora de árabe e  matemática da Secretaria de Educação de Belém. "No primeiro dia de aula, eu cheguei por volta das 7:30 e foi horrível quando  vi que a escola não estava aqui."
Um grupo de professores participaram ensinado as crianças que chegavam ao local [Nigel Wilson / Al Jazeera]
No entanto, Shaibat e outros  professores da Secretaria  de Belém concordaram  em dar as aulas para  as crianças que chegavam, até que outra solução seja encontrada. A tenda recém instalada serve como uma sala de aula improvisada, mas devido à falta de espaço, outra  classe tem tem que ter aulas fora da tenda, sob o sol escaldante.
"Nem todos os estudantes estão aqui hoje", disse Shaibat. "O outros se dirigiram as suas escolas anteriores para continuar a sua educação. Seus pais acreditam que este não um bom lugar para as aulas. Está muito quente, então preferem suportar a situação de irem para as escolas mais distantes de casa do que ficarem em  instalações inadequadas ao aprendizado. "
A aldeia palestina de Jubbet ADH-Dibh se encontra  em um cenário dramático sob Jabal al-Fureidis, uma montanha plana de  cinco quilômetros a sudeste de Belém, que alberga um sítio histórico bíblico.
Cerca de 160 pessoas vivem lá, e enquanto a vila tem um jardim de infância, escolas primárias mais próximas estão localizadas nas cidades e vilas vizinhas, o que significa que as crianças têm de caminhar longas distâncias ou pegar um ônibus para chegar à escola .
Estudantes em fila para cantar o hino nacional palestino antes das aulas [Nigel Wilson / Al Jazeera]
Fadiya al-Wahsh, chefe da Fundação de mulheres em Jubbet ADH-Dibh, decidiu  matricular seu filho, Abdelrahman, na terceira série da nova escola.
"Toda a comunidade queria esta escola porque era mais perto de casa". "Para chegar à escola que meu filho estudou o ano passado, ele tinha que pegar um ônibus ou caminhar por um quilômetro e meio. Ele tem asma e reclamava que era longe  e que a escola estava super  lotada, tudo muito mal para sua saúde".
"Antes desta escola, muitos estudantes se apinhavam nas outras escolas", acrescentou Wahsh. "Aqui há muito mais espaço para os alunos, de 10 a 15 alunos por turma, e isso lhes dará uma melhor oportunidade de obter uma boa educação. Nas outras escolas são 50 alunos por turma."
A aldeia está localizada na Área C da Cisjordânia ocupada, uma designação administrativa que remonta aos Acordos de Oslo, que dá às autoridades israelenses controle civil e segurança total sobre este território palestino.
"Congratulamo-nos com o novo semestre letivo com uma escola desmantelada" [Nigel Wilson / Al Jazeera]
Segundo o famigerado acordo de Oslo, a Autoridade Palestina é responsável pela prestação de serviços de educação e saúde para a população palestina na Área C, enquanto a entidade sionista Israel manteve o controle sobre a alocação de terras, planejamento, construção e infra-estrutura nesta área, compreendendo cerca de 60 por cento Cisjordânia ocupada. É nesta parte que são construído sob os escombros das casas e aldeias palestinas, os assentamentos sionistas.
Grupos de direitos locais e internacionais têm  argumentado  que a entidade israelenses usou seu controle sobre a planificação da terra na Área C para restringir a construção e desenvolvimento palestino negando todos os pedidos de licenças de construção e permitindo a expansão dos assentamentos judaicos .
De acordo com o Conselho Norueguês de Refugiados: "Israel  recusa a maioria dos pedidos de permissão de planejamento na Área C, deixando assim os palestinos sem opção que  reconstruir e desenvolver-se sem permissão".
Um porta-voz da Coordenação de Atividades do Governo israelense nos Territórios Palestinos, uma unidade militar israelense que implementa a política do governo israelense na Área C, disse à Al Jazeera que a escola em Jubbet ADH-Dibh não tinha licenças de construção e, portanto, foi desmantelada.
Escola Jubbet ADH-Dibh foi apenas uma das várias escolas palestinas danificadas ou destruídas pelas autoridades israelenses este mês [Nigel Wilson / Al Jazeera]
A escola Jubbet ADH-Dibh foi a terceira Escola palestino, na Cisjordânia ocupada, que foi destruída ou seriamente danificada pela entidade israelense num período de duas semanas. Um jardim de infância, em Jabal al-Baba, foi destruído  em 21 de agosto, enquanto que os painéis solares que forneciam a única fonte de energia para uma escola em Abu Nuwar foram confiscado pela entidade sionista, em 9 de agosto.
O plano para estabelecer a escola em Jubbet ADH-Dibh foi concluída na primavera, e sua construção foi financiada por alguns Estados membros da União Europa. As missões locais da UE emitiram uma  declaração   condenando as autoridades israelenses.
"Toda criança tem o direito a um acesso seguro à educação e os Estados têm a obrigação de proteger, respeitar e cumprir este direito, garantindo que as escolas sejam espaços  invioláveis,  lugares seguros para as criança".
Em consonância com sua posição de longa data sobre esta questão, a UE apela às autoridades israelitas para que ponham termo às demolições e confiscos de casas  e propriedades palestinas de acordo com as suas obrigações como potência ocupante em virtude do Direito Internacional Humanitário e cessem a política de  construção e expansão dos assentamentos , a designação de terra para o uso exclusivo de Israel e a negação do desenvolvimento palestino"
Fuente: Nigel Wilson, Al Jazeera / Traducción: Palestinalibre.org
Tradução para o português: somostodospalestinos.blogspot.com